Humana, demasiada humana

Ser mãe sempre foi um sonho. Mais jovem dizia querer uns 10 filhos! Até que veio o primeiro. Danado como ele só, logo me fez repensar a quantidade...eu não daria conta. Criança tem uma energia enlouquecedora. São rápidas, criativas e sempre, sempre ganham de nós em qualquer argumentação. Toda vez que me perguntavam o que queria ser quando crescesse, a única certeza que tinha era de que queria ser mãe. Mas, ninguém nunca foi capaz de me alertar sobre os desmantelos da maternidade. Ouvir a frase: "Ser mãe é padecer no paraíso", nunca foi suficiente para entender a realidade, as culpas e conflitos. Talvez porque o ofício materno não possa ser passado nem de mãe pra filha. Mães ensinam a seus filhos a serem humanos. Existe no mundo tarefa mais difícil? Não! E nem existem fórmulas prontas. E, vamos combinar, né?  É uma sacanagem o que fazem com as mulheres oferecendo uma bandeja com "bons exemplos de maternidade". Os arquétipos são simplesmente avassaladores. Imagine viver sempre, todos os dias, entre a cruz e a espada. É assim que vivemos todas.  Por que cargas d´água dizem que temos que amamentar por 2 anos e no entanto a nossa licença maternidade é de apenas 4 meses? Sabia que o leite seca se não amamentamos como a natureza propõe? O leite de uma mulher que trabalha fora não vai durar 2 anos se não houver o estímulo da mamada. E, quem fica em casa tomando conta dos nossos filhos enquanto saimos para trabalhar, nunca faz o que pedimos. "Por favor, não dê a mamadeira. Dê o leite na colher ou no copinho..." Quando você vê, a mamadeira tá lá e o bico tem um furo que é uma cratera. É claro que o bebê não vai mais querer o peito! Mamadeira é o que há. Não precisa esforço. Puxou, tá lá! Coisas da modernidade...Então, amadurecemos e tomamos uma decisão: Ficarei com os meus filhos em casa! Então, veem as mesmas pessoas que diziam que mães precisam estar com seus filhos e simplesmente somem da face da terra. E fica um vazio. A escolha parece se transformar em punição: "Quem mandou ter filhos?" Mulheres que trabalham fora são valorizadas por serem úteis, seres pensantes, produtivas...OPA! Alto lá! E a mulher que decide cuidar dos seus filhos simplesmente param de pensar e produzir?! Para o resto do mundo, parece que sim. A lógica parece ser: "já que você está em casa e não está fazendo nada...". Aos que pensam que ouvi isso apenas dos homens, sinto dizer que estão errados. Mulheres carregam o machismo nas entranhas. E são visserais. Escolher cuidar dos filhos também não nos livra da culpa. Quem trabalhava num ritmo alucinante sofre um processo de abstinência. Como pode ser tão antagônico estar com os serezinhos mais lindos e inteligentes do universo e ter dias que você simplesmente quer sumir! Ficar sozinha, em silêncio. Descansar, dormir, assistir a um filme que não seja infantil. Ler um livro, conversar com qualquer pessoa sem ter que parar a cada 3 segundos para ouvir o que a criança quer falar porque exige de você atenção exclusiva. Ter a cama só para você depois de um dia extenuante...Acredite: ter filhos é a maior dádiva do mundo. Mas ser mãe não é ser divina. Somos humanas, demasiada humanas. 

 

 

 

Please reload

Featured Posts

Sobre o processo criativo

June 22, 2015

1/2
Please reload

Recent Posts

August 16, 2018

May 4, 2017

August 19, 2015

August 13, 2015

July 22, 2015

July 20, 2015

July 2, 2015

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags
Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

©2015 por MIRELA MARTORELLI DE NOVAES

Orgulhosamente criado com Wix.com